Posts Tagged ‘imagens’

Novo prazo para envio de resumos: 10/6/2011

quarta-feira, junho 1st, 2011

7º Seminário Internacional Imagens da Cultura/Cultura das Imagens

A Coordenação Geral do Brasil da rede de pesquisadores intitulada RED_ICCI convida a participar do 7º Seminário Internacional Imagens da Cultura/Cultura das Imagens que acontecerá em São Paulo, de 15 a 18 de agosto, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

O evento é promovido pela rede de pesquisadores intitulada RED_ICCI a qual é composta de pesquisadores da  Europa, América Latina e Africa que, por sua vez, assume conjuntamente a organização dos Seminários e a dinamização dos diversos grupos locais de pesquisa com vista à realização e apresentação de projetos de investigação conjuntos, a criação de Grupos de Trabalho no Seminário e à apresentação dos trabalhos publicados no intervalo entre seminários.

Cadastre-se no site e obtenha maiores informações:

http://openfsm.net/projects/imagens-da-cultura-cultura-das-imagens/summary

Luana e suas fotos das férias – N. 19

terça-feira, maio 10th, 2011

Por Isabel Orofino

Na minha infância menina nos anos 70 meu pai tinha uma câmera fotográfica.   A “máquina  fotográfica”  como nós falávamos, deveria ser uma Olympus Trip-35, talvez a câmera mais popular para o uso familiar naqueles tempos.   Eu me lembro que segurei esta  máquina  umas  duas vezes apenas, cliquei fotos meio tortas de minha irmã mais nova.   Mas a fotografia da vida cotidiana e privada era uma grande novidade para meu pai e a “máquina” era uma descoberta dele, pouquíssimas vezes chegou às nossas mãos tamanha preciosidade ela era para nós.  E as fotografias mesmo  chegavam semanas mais tarde, talvez meses depois de terem sido realizadas.   E nós, geralmente em uma espécie  de ritual líamos as fotos, decifrávamos os detalhes de momentos  especiais e em que de fatos havíamos pousado para a câmera.

A Olympus Trip 35

A Olympus Trip 35

Neste verão, em um aniversário na casa de praia da família, quase 40 anos depois, minha atenção flagra a “máquina” fotográfica de Luana, a bisneta que meu pai não conheceu.  Luana tem 10 anos e sua câmera está  em um telefone celular.   Ela corre para o meu lado no sofá e pergunta se quero ver suas fotos?  Claro!, respondo.  E ela desfila no visor uma narrativa fotográfica desde o dia em que começou a fazer as suas malas em Ribeirão Preto para passar as férias na praia em Santa Catarina.  E mostra, e amplia, e recorta, e volta, e corre para a esquerda e para a direita, tudo muito rápido, enquanto me conta cada detalhe da sua viagem de férias.  Na microtela do celular assisto a uma narrativa em stop motion  desde: a mala ainda aberta em seu quarto e  depois a viagem de carro, a chegada ao destino, o quarto em que vai ficar, o armário, a rua, a praia, a casa da vó, a viagem de carro para a serra com a dinda em um final de semana, a casa da bisavó Dilma.
E como se não bastasse ela desfila também uma reportagem em vídeo!  Havia o registro de uma festa de aniversário na qual um garoto convidado demonstra a aventura de se confeccionar grilos com folhas de erva cidreira ou mato mesmo.   Grilos perfeitos feitos de capim.  Verdes!  Ninguém diria que eram falsos.  E Luana registra tudo!  Uma repórter de imagens.  O artesanato nas mãos dos jovens e em forma de brincadeira em registro na tecnologia nas mãos da criança.  Tudo misturado, como sempre.  Cultura que resiste, cultura que emerge.  Nem parece o fim do mundo com crianças bitoladas pela  tecnologia e de jovens formatados pelos videogames.
Os estudos sobre as relações entre mídias e crianças geralmente apelam para um viés ortodoxo, em que a criança ainda é passiva diante dos meios.   Há controvérsias.  De fato os hábitos de consumo da tecnicidade são de uma transformação radical.  Os suportes materiais de base microeletrônica desencadearam um amplo acesso das classes populares às tecnologias de comunicação e informação, em especial via telefone celular e computador com internet em casa.  Os índices de acesso realmente mudaram nos últimos anos ainda que haja um contingente significativo de pessoas excluídas desta condição.
 Este amplo acesso às tecnologias digitais reconfigura a dinâmica das práticas culturais.  E isto  abre um leque de espaços para a pesquisa e  práticas de intervenção educativa.  E surgem  novas perguntas, sobretudo em relação às transformações das sensorialidades.  No evento  O século McLuhan (SP, 2011) foi possível discutir um pouco a respeito das evidências empíricas, as conseqüências, o devir,  e os  aportes teóricos sobre o tema das transformações cognitivas e da ordem das estruturas de sentimentos e sensibilidades.  Há muitas teses em debate.  Uma guerra de discursos.  Mas um consenso: as materialidades digitais mudaram o mundo profundamente.

Imagens e Sentidos

quarta-feira, maio 5th, 2010

00000061

Imagens e Sentidos na Comunicação Contemporânea, livro organizado por Roberval José Marinho e Rodrigo Farhat, além de sua versão impressa, possui uma versão digital que está agora disponível para download em formato PDF.

A obra é uma coletânea de trabalhos desenvolvidos na disciplina Processos de Comunicação na Cultura Brasileira Contemporânea do PPG em Comunicação da Universidade Católica de Brasília.

Imagens e representações da Amazônia

sexta-feira, abril 16th, 2010

O Programa de Pós-Graduação da Faculdade Cásper Líbero, com o apoio da INTERCOM, realiza no dia 17 de abril de 2010 (sábado) uma mesa-redonda para debater a Amazônia e suas representações midiáticas.

O evento acontecerá das 14h às 17h30 no Anfiteatro Aloísio Biondi da Faculdade Cásper Líbero (Av. Paulista, 900, 5º andar – São Paulo – SP).

Os temas a serem debatidos no encontro são “A quem servem os estereótipos divulgados sobre a Amazônia?”, proferido pelo Prof. Ms. Maurício Torres (Doutorando do programa de Pós-Graduação do Departamento de Geografia Humana da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP), e “Comunicação e imaginário sobre a Amazônia”, proferido pela Profa. Margarethe Born Steinberger (docente da UFABC e integrante do Grupo de Pesquisa Geografias da Comunicação da INTERCOM).

Informações: (11) 3170-5928 / 3170-5935 ou posgraduacao@facasper.com.br